sexta-feira, 27 de março de 2015

Carro zero pelado ou importado usado, uma dúvida muito além do valor de compra.

  Carros importados com mais de 5 anos de uso geralmente são encontrados a preços tentadores, muitas vezes a preço de carros populares básicos, mas realmente vale a pena comprar um usado mais luxuoso por uma valor relativamente baixo? Nem tudo é felicidade no mundo dos carros importados, sobretudo em modelos mais antigos e luxuosos e, não é algo difícil de ver pelas ruas importados dos anos 1990 e 2000 abandonados por falta de peças ou alto custo de manutenção.
  Argumentos sempre existem para defender a tese do carrão no lugar do básico ou do usado nacional, afinal hoje com a internet e sites como Ebay é simples encomendar peças para praticamente qualquer modelo fabricado ou comercializado no mercado norte americano ou europeu. Mas realmente é tranquilo ter um importado usado, depende muito do uso que sera feito dele. Encomendas internacionais podem demorar para chegar, correm o risco de serem extraviadas, furtadas ou mesmo ficar retida pela Receita Federal para arrecadação fiscal, é tudo muito burocrático e para um carro de uso diário é inviável.
  Para demonstrar que o aparente bom negócio pode virar em pouco tempo uma grande dor de cabeça, faremos um pequeno comparativo entre um carro 0 km já consagrado no mercado nacional, três modelos nacionais de categoria superior com alguns anos de uso e por fim três modelos importados que habitam o sonho de muitos brasileiros, nesse caso, os quatro carros serão usados para comparar com a manutenção do 1.0 básico. Para evitar grandes diferenças de preço, o site escolhido para a consulta dos usados é o WebMotors, carros do estado de São Paulo e com valores de R$ 1 mil reais para mais ou para menos diante do valor do carro zero quilometro, mas com preferência para valores mais próximos. Para o valor das peças foi usado o preço médio aproximado encontrado no Mercado Livre, sendo dando preferência para peças novas de marcas de primeira linha.
  O caro zero quilometro escolhido foi o Fiat Palio Fire, modelo baseado na terceira reestilização da primeira geração do carro, para balancear o preço, o único opcional adicionado foi o ar-condicionado, item que deveria vir de série, mas ainda é cobrado a parte. O modelo já é consagrado e bem conhecido no mercado, a facilidade de encontrar peças e o baixo custo de manutenção foi o fator determinante para a escolha do modelo para o comparativo, o Palio só esbarra na hora da troca da correia dentada, pois o motor Fire requer cuidados e ferramentas na troca desse componente, abaixo o temos a imagem que mostra o valor do carro no site da Fiat.
Fiat Palio 0 Km, o único opcional adicionado foi o ar-condicionado para nivelação de preço.
  O primeiro carro nacional de categoria superior escolhido para o comparativo é o Honda Civic 2007, um carro que mesmo com seus 8 anos de uso ainda desperta paixões por quem sonha com um carro melhor, maior e mais confortável. O Civic é um carro comum no mercado mundial, porém é supervalorizado no mercado nacional, suas vantagens estão na resistência do projeto e pela fama de durabilidade ligada à marca Honda, a manutenção é mais cara do que a do Palio, porém nada de absurdo, para quem tem condições de comprar e revisar o carro é uma ótima escolha, porém algumas de suas peças tem um valor alto de compra na concessionária, porem é garantia de uma ótima durabilidade.
Civic de oitava geração, ainda um sonho entre os brasileiros.
  O segundo nacional para o comparativo, é o Toyota Corolla 2007, mesmo sendo concorrente direto do Civic, o perfil do Corolla é relativamente diferente, além de ser mais resistente, o Corolla conta com porta-malas de maior capacidade e conforto maior, pois a calibragem de sua suspensão privilegia o conforto. Conta contra o Corolla a gasolina, modelo em questão, o filtro de combustível integrado a bomba de combustível, isso torna a peça mais cara, além de aumentar a mão-de-obra para esse componente, mas afinal estamos falando do Corolla, um dos carros mais vendidos no mundo, Toyota sempre será sinônimo de durabilidade e confiabilidade.
Toyota Corolla, uma escolha sensata, levando em consideração um carro em bom estado.
  Por fim, seu perfil não é um sedan, mas um hatch? Temos o Ford Focus 2.0 GLX que fica nessa faixa de preço, o Focus é segundo carro mais vendido do ano de 2014, é um modelo já consagrado e o hatch médio mais fácil de ver em bom estado pelas ruas, o valor das peças dos carros da Ford é alto, porém assim como Civic e Corolla, tem uma ótima durabilidade.
Focus, levando em consideração o ano de fabricação é uma bela opção.
  Agora as coisas vão ficar mais interessantes, que tal pagar os mesmos R$ 33 mil em uma Mercedes-Benz com motor 3.2 V6? Tudo bem é um carro 1998, mas é um carro alemão de excelência, por esse preço em uma Classe não é nada mal, mas quanto a manutenção é tranquila? Essa é a parte chata, um carro de categoria superior e ainda mais importado dos anos 1990, perde o preço de revenda, porém o preço das peças é incompatível com o preço do carro, mas para quem pretende rodar com um carro desses eu desejo boa sorte e que a manutenção seja apenas a de rotina que por sinal já é muito alta comparada aos outros carros.
Caso opte pelos amortecedores originais, o valor fica mais alto do que o aqui apresentado, coisa de R$ 11.500 os quatro.
  Tudo bem, Mercedes tem cara de carro de tiozão e você prefere algo que apele mais para o lado da emoção. Que tal optar pela paixão nacional com um BMW 325i de 2001, sem dúvidas um belo carro, assim como a Mercedes é um projeto alemão, resistente, com itens que deixam qualquer carro nacional mais novo para trás quanto ao acabamento e equipamentos, mas repete o mesmo mal da Mercedes, peças caras, mão-de-obra difícil de encontrar e é um carro com relativo baixo valor de compra, mas um enorme valor no quesito manutenção.
Realmente, o preço é tentador, mas o valor das peças é desanimador, ou não?
  Caso prefira um Audi A6 com motor V6? Ele se encontra na mesma faixa dos outros 2 de origem alemã, assim como o BMW é um carro 2001, muitas vezes as pessoas tendem a ligar a manutenção de um Audi com a de um Volkswagen, mas na prática ela é muito mais alta que as dos carros da montadora do mesmo grupo, destaque para o A6 são as pastilhas de freio com sensor, custam mais do que os discos.
O mais barato do comparativo tem o segundo maior preço de peças.
  Comprar um carro é fácil, mas manter é a parte difícil, carro nenhum é investimento, muito pelo contrário, geram despesas e não são poucas, esse comparativo demonstra de forma simples, porém objetiva quanto custa cuidar de um carro que aparenta ser um bom negócio enquanto não é, no caso da Mercedes-Benz E 320, foram usados na cotação amortecedores importados de marca desconhecida, apesar de ter encontrado o original, os pares dianteiro e traseiro totalizariam uma quantia próxima de 11 mil reais, ou seja 1 terço do valor do carro, uma pergunta que eu deixo, é mesmo vantajoso ter um carro importado usado? Lembrando que os valores das peças não incluem mão-de-obra.
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários ofensivos ou que não tenham relação com o assunto do blog não serão publicadas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...