segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Pneus, mais do que apenas borracha.

  Para muitos é apenas borracha, mas na prática são eles os únicos elementos que fazem a ligação do carro ao solo, estamos falando dos pneus. Além de ligar o carro ao solo e promover aderência, os pneus tem como função absorver impactos antes que esses cheguem a suspensão e sejam transmitidos para o chassi e consequentemente aos ocupantes do veículos. Alterações das especificações de fábrica, como medida, composto e mesmo marca pode mudar drasticamente o comportamento de um carro, nessa postagens veremos os porquês não lidamos apenas com borracha, é algo que envolve muito mais informação do que aparenta.
John Boyd Dunlop, o inventor dos pneus inflados.
  Invento de um médico escocês em 1888, o pneumáticos foram criados com o propósito de melhorar a condução e o conforto de um pequeno triciclo que pertencia a seu filho e era utilizado pelas irregulares ruas de Belfast para que o garoto fosse a escola. Antes disso, as rodas eram apenas de madeira, aço ou materiais compostos e poderiam ter uma cobertura maciça de borracha. Esse médico era John Boyd Dunlop. Dunlop inflou através de uma bomba para encher bolas algumas mangueiras de látex de uso médico, as envolveu em lonas para aumentar a resistência e as instalou em volta das rodas do triciclo. Após trabalhar em sua invenção, em 7 de dezembro de 1889, Dunlop entrava com pedido de patente para o pneu com câmara, 2 anos depois recebeu que sua patente havia sido invalidada, pois outro escocês, Robert Willian Thomson havia patenteado invento similar na França em 1847 e nos Estados Unidos em 1891, Dunlop conseguiu através  de meios legais a revalidação de sua patente, algo que foi crucial para a expansão do uso de veículos sobre rodas.
  A borracha do pneu não é naturalmente preta, na verdade é adicionado a ele uma substância conhecida como negro de fumo, uma fuligem que na verdade é uma variedade extremamente pura de carvão. Além de dar a cor característica aos pneus, essa substância aumenta a resistência da borracha, uma vez que o pneu sem ela é branco e têm uma durabilidade muito inferior aos que conhecemos. Apesar de aparentar uma única peça, o pneu é na verdade a junção de diversas partes e é construído de dentro para fora, começamos pelos talões, feitos em aço estão nas laterais no pneu e faz com que os mesmos prendam-se ao aro, recobertos com borracha esta presente nas duas laterais. As cintas são feitas com fio de aço e além de tar estabilidade ao componente, faz com que a banda de rodagem, parte que faz o contato com o solo seja mais estável e de a maior aderência possível em diversas situações de carga, essas cintas ainda protegem contra objetos perfurantes. Fios de nylon ou poliéster dão forma a carcaça e reforçam sua estrutura, a lateral do pneu, ou sua altura esta ligada ao conforto, quanto mais baixa, mas duro o pneu, os ombros que fazem parte da lateral são responsáveis pela estabilidade do veículo em curvas, uma vez que ela é deformada para manter a banda de rodagem em contato com o solo.
Pneu de construção diagonal.
  Existem tipos diferentes de pneus, alguns utilizam câmara de ar, são os chamados Tube Type, onde é impressível o uso da bolsa de ir interna para mante-lo inflado. Mais comuns atualmente são os pneus do tipo Tubeless, suas paredes internas são do tipo estanque, uma camada de borracha fina e flexível é a responsável por manter o gás ou ar preso dentro dos pneus. Ainda sobre tipos de construção, temos os pneus de estrutura diagonal, onde as lonas que dão forma ao pneu são colocadas de maneira sobreposta de forma diagonal, são pneus mais flexíveis, mas duram menos e têm menor resistência quando comparados aos radiais, mais comuns atualmente, as lonas são montadas de ombro a ombro do pneu e reforçadas com aço, além de mais duráveis, são mais estáveis, uma vez que o ar dentro deles se aquece menos.
Pneu de construção radial.
  Outra coisa que interfere na durabilidade e no conforto são os compostos usados para dar propriedades diferentes a borracha, um pneu de competição por exemplo é mais macio, sofrendo desgaste mais rápido, pois têm que manter o carro sempre no limite da aderência, esses pneus contam também como menos ranhuras  ou nenhuma em caso de pista seca, esfarelam com facilidade quando expostos a temperaturas extremas ou frenagens mais fortes. Na contramão dos compostos de corrida, temos os chamados pneus verdes, são pneus mais duros, geralmente com sílica adicionada a borracha, eles contam com um baixo atrito que não prejudica muito o uso em piso molhado e, prometem maior durabilidade do componente e menor consumo de combustível pelo menor arrasto.
  As inscrições presentes nas laterais do pneu são de grande importância para identificarmos sua aplicação, o fabricante e informações como índice de carga, velocidade máxima, tipo de construção e muitas outras, abaixo utilizaremos a imagens para explicar de forma mais direta e prática o que um pneu nos diz.


DOT seguido pelo lote, controle do fabricante e a data de fabricação, nesse caso 42ª semana de 2008;


  Aqui temos a parte que traz as informações de medida do pneu, além do país de fabricação no caso um pneu chinês, vamos aos restante dos dados; 225 corresponde a largura da banda de rodagem expressa milímetros, o 45 indica 45% da largura da banda de rodagem que corresponde a altura do pneu; ZR indica que o pneu suporta velocidades superiores a 240 km/h e que tem construção radial; O número 18 corresponde ao aro da roda; O 95 é o índice de carga, esse pneu suporta um peso de até 690 kg; O W indica o índice de velocidade máxima, no caso 270 km/h.
  Outro item importante é o Tread, indicacado pela sigla TWI ou setas, são os indicadores de desgaste do pneu, quando a altura deles é atingida, o componente deve ser substituído, pois já não cumpre mais seu papel de promover aderência e escoar a água. Outra informação importante é o M+S que indica mud and snow, indicando que o pneu também pode ser utilizado em condições de barro e neve. Alguns pneus são assimétricos, tendo que ficar atento nesse caso no lado que deve ser montado voltado para fora e, pneus direcionais com setas que indicam o sentido de rotação, pneus para neve também extrema também são identificados, assim como os ALL Terrains que são pneus focados no uso fora de estrada.
  O pneu é uma peça complexa como podemos ver, e não foi uma abordagem complexa, teria muito mais a dizer sobre o componente, mas o importante para qualquer pneu são os cuidados simples, calibrar uma vez na semana com os pneus frios, o posto mais próximo de casa é sempre a melhor escolha, o ar acaba se expandindo com a rodagem, o que altera a pressão interna, outra coisa simples é o rodizio feito a cada 10 mil quilômetros, são cuidados simples que prolongam muito a vida útil de algo que esta diretamente ligado a segurança e ao conforto. 
Tabela de índice de velocidade dos pneus.
Tabela de índice de carga dos pneus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários ofensivos ou que não tenham relação com o assunto do blog não serão publicadas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...